Município da Guarda

Imagem: Informação da versão beta

Município da Guarda

Guardense, Bruno Brazete estreia espetáculo de dança no Ciclo Eu Queria Ser Fado

10/03/2015
leitura do texto

O Ciclo Eu Queria Ser Fado prossegue esta semana no TMG, na sexta, dia 13 de março, com o espetáculo de dança “Mon Jardin Secret” do bailarino e coreógrafo Bruno Brazete. Trata-se de uma estreia que é também uma encomenda do TMG no âmbito do ciclo sobre fado que o Teatro tem a decorrer desde janeiro. O espetáculo está marcado para as 21h30, no Pequeno Auditório.

Bruno Brazete nasceu em 1986, na Guarda. Participou em espetáculos do Aquilo Teatro, antes de iniciar a sua formação na área da dança na Companhia Paulo Ribeiro e no Ballet Teatro Contemporâneo do Porto - Escola Profissional, em 2005 (2005-2009). Paralelamente, trabalhou com grupos de jovens com autismo e deficiências motoras desenvolvendo ateliês de dança criativa. Fez formação na área da dança com Romulus Neagu, Monica Gillette, Cyril Viallon, Andrea Boll, John Mowat, Peter Michael Dietz, Yola Pinto, Sophia Neuphart, Miguel Pereira, Sylvia Camarda, Leah Morrison de Trisha Brown Dance Company. Em 2009, inicia em Paris trabalhos com Denise Namura e Michael Bugda ('À Fleur de Peau' e 'Villa') e com Serge Keuten ('Pierre et le Loup' e 'Petrouchka'), entre outras.

Sobre “Mon Jardin Secret”, escreve o criador: «Num futuro próximo, o que somos? Como sentimos? Como flutuamos no cimo do universo? Porquês que se deslocam… Será que sentimos?! O sonho penetrado na ilusão. Imagens vividas ou memórias prolongadas. E num despertar de sensações ao olhar a ilusão, torna-se possível e simplicista, o belo, a água, o vento, o ar.

Um solo acompanhado pelo improviso, nada é visível, nada existe, permanece uma memória ou uma mensagem que não se sabe bem qual. E num despertar, a sonoridade das palavras denunciam o silêncio que nelas existe. Não deixamos de ser corpos disfarçados, mas a necessidade acompanha-nos.

Tento condicionar as palavras por instantes. O inesperado deixa de o ser e a própria vida passa.

O nada pode ser um todo e esse todo pode ser um nada. Cabe a si, espectador, decifrar essa memória».

Imagem: Guardense, Bruno Brazete estreia espetáculo de dança no Ciclo Eu Queria Ser Fado