Município da Guarda

Imagem: Informação da versão beta

Município da Guarda

Teatro do CalaFrio estreia esta semana “Diário de um louco” de Gógol no TMG

19/04/2016
leitura do texto

O Teatro do CalaFrio estreia no dia 21 de abril, pelas 21.30 horas, no Teatro Municipal da Guarda, a sua nova produção: Diário de um louco, de Nikolai Gógol. Esta é a quarta produção do Teatro do Calafrio, depois de apresentar textos de Kafka, Tchekhov e Melville. As sessões ão nos dias 21, 22 e 23 de abril, pelas 21.30 horas no Pequeno Auditório do TMG.

A nova produção tem a encenação de Américo Rodrigues, dramaturgia: Américo Rodrigues e Luciano Amarelo e a interpretação de Luciano Amarelo (Aksénti Ivánovitch) e Élia Fernandes (Mavra). O espetáculo contará com música original tocada ao vivo por Élia Fernandes (piano).

Sobre o Diário de um louco escreve Filipe Guerra: «(...) O herói, o eterno funcionário miserável de Gógol, assume em Diário de Um Louco, apesar e, talvez, por causa do delírio psicótico em que... se refugia, contornos muito humanos e comoventes. Como sempre, a arte gógoliana de misturar o real e o fantástico, o normal e o patológico, o razoável e o delírio, imperam em Diário de Um Louco, a ponto de o leitor se sentir desconfortavelmente a assistir ao sofrimento de um ser humano a quem a identidade se vai estilhaçando com a rapidez e a intensidade de um pequeno conto».

Ainda sobre este texto de Gógol, escreve Vissarion Belínski: «(...) Eis Diário de Um Louco, sonho monstruoso, grotesco, estranho e caprichoso do artista, brincadeira bondosa sobre a vida e o homem, sobre o homem miserável e a vida miserável (…) mas ainda estamos a rir-nos do desgraçado simplório e já o nosso riso se dilui na amargura (…)»

Nokolai Gógol é um escritor russo nascido a 31 de março de 1809, em Mirgorod, na Ucrânia. Aos 19 anos instalou-se em Sampetersburgo, tentando seguir uma carreira literária e conseguindo apenas um posto de funcionário e, depois, de professor de História. Escreve contos baseados nas recordações da Ucrânia e reúne-os sob o título de Os Serões na Herdade perto de Dikanka (1831). Estas narrativas acumulam personagens e situações cómicas, detalhes realistas e ingénuos, e trazem rapidamente a celebridade ao autor. Continua com Mirgorod (que inclui uma curta primeira versão de Tarass Bulba) e Arabescos (1835). A novela O Capote, que Dostoievski considera estar na origem do romance russo, foi publicada em 1842. A peça O Inspetor Geral satirizava a burocracia corrupta da época, o que veio a provocar grande controvérsia. Gogol parte em viagem e durante esse período (1836-48) inicia Almas Mortas (1842), uma sátira realista, que mais uma vez gera polémica. Procura explicar-se em Trechos da Correspondência com os Amigos (1847), revelando afinal um espírito conservador, o que vai ser totalmente incompreendido pela geração que o via como um pioneiro de um tempo novo. Entretanto abandona-se a uma crise espiritual que o conduz à renúncia e ao ascetismo. Morre a 4 de março de 1852, pouco tempo depois de ter queimado a segunda parte de Almas Mortas. Considerado um precursor do romance realista na Rússia, a sua obra atinge igualmente o domínio do poético, do lírico, do fantástico e do irracional.

Adquira bilhetes para o espetáculo aqui.

Imagem: Teatro do CalaFrio estreia esta semana “Diário de um louco” de Gógol no TMG