Município da Guarda

Imagem: Informação da versão beta

Município da Guarda

Em Dia de Reis, Coletividades cantam as Janeiras no TMG

09/01/2017
leitura do texto
Na sexta, dia 6 de janeiro, cantaram-se as Janeiras no Grande Auditório do Teatro Municipal da Guarda; subiu ao palco o espetáculo “Ó da Casa!”. Participaram na iniciativa 16 coletividades que receberam do Município da Guarda 250 euros, cada: Agrupamento de Escuteiros da Guarda, Aquilo Teatro, Associação Cultural de Alfarazes, Cineclube da Guarda, Grupo Coral Pedras Vivas, Grupo Cultural Pousadense, Grupo de Cantares A Mensagem, Grupo de Cantares Camponeses de Aldeia do Bispo, Grupo de Cantares da Faia, Grupo de Cantares da Sequeira, Grupo de Cantares de Arrifana, Grupo de Cantares de Famalicão da Serra, Grupo de Cantares do Centro Cultural e Social do Marmeleiro e Grupo de Cantares Ronda do Jarmelo.

O espetáculo, que encerrou a programação de Natal da Câmara da Guarda, teve a conceção e coordenação do percussionista BitOcas Fernandes e contou ainda com Henrique Fernandes na criação de objetos sonoros e manipulação; Bruno Miguel nos mecanismos e Rosa Martins nos figurinos.

As Janeiras é um ritual de anúncio de nascimento. Desta vez anunciou-se o nascimento de um ser coletivo imaginado, construído e animado; um bem maior e comunitário; o resultado de uma viagem criativa nem sempre fácil como todas as boas viagens. Numa relação entre personagens humanas e mecânicas, o espetáculo fez referência metafórica aos tempos de hoje, à renovada importância que damos aos objetos e à sua múltipla funcionalidade e, ainda mais relevante, à importância das relações interpessoais. Da mesma forma o ato de cantar foi também revisto e fragmentado em múltiplas formas de sentir o ritmo e a cadência, o caos e a harmonia, o sincronismo e a comunicação, a complexidade provocadora e a simplicidade frágil e bela.

Esta “viagem” iniciou-se com um plenário criativo, onde todos contribuíram e culminou no guião final cheio de peripécias e de múltiplas leituras. Mas, como acontece neste tipo de experiências, o percurso feito, ora atribulado ora cheio de descobertas, é o que mais marca o grupo de participantes. Por isso este espetáculo é, também, uma homenagem à viagem tortuosa que Maria e José fizeram. Hoje cantam-se as Janeiras de porta em porta à procura do outro e celebrando essa viagem.

A bilheteira de “Ó da Casa” reverteu a favor do Centro de Dia Nós por Eles e, na mesma sessão, foi entregue o prémio da melhor montra de Natal 2016. A Artwood foi a vencedora, ganhou 1000 euros.

Imagem: Em Dia de Reis, Coletividades cantam as Janeiras no TMG