Município da Guarda

Imagem: Informação da versão beta

Município da Guarda

1M de euros de investimento para Regularização Fluvial no Concelho

11/05/2018
leitura do texto

Cerca de 1 milhão de euros é quanto o Município da Guarda vai receber ao abrigo do Fundo Ambiental e por intermédio da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) para o apoio aos territórios afetados pelos fogos. A verba tem como propósito desenvolver intervenções urgentes e inadiáveis de normalização nas principais linhas de água afetadas pelos incêndios florestais de 2017, em várias freguesias do concelho.

O investimento, de cerca de 1 milhão de euros, será feito no âmbito do acordo celebrado entre a Câmara da Guarda e a APA. Álvaro Amaro, presidente da autarquia e Pimenta Machado, diretor regional da Administração da Região Hidrográfica do Norte / APA assinaram ontem, dia 10 de maio, nos Paços do Concelho o protocolo de colaboração que permitirá avançar com os Projetos de Regularização Fluvial pós incêndios, no Concelho da Guarda e cujos trabalhos terão que estar concluídos até 31 de dezembro de 2018.

Recorde-se que o Ministério do Ambiente tinha atribuído 12 milhões de euros para todo o país, tendo disponibilizado para 18 municípios de toda a Região Norte (onde o Município da Guarda está inserido) perto de 2 milhões de euros para apoio aos municípios afetados pelos fogos. O objetivo é concretizar intervenções que permitam o bom funcionamento da rede hídrica afetada pelos incêndios, para obviar a constrangimentos de escoamento e arrastamento anormal de solos em período de chuvas.

A reabilitação destes sistemas ribeirinhos constitui um contributo imprescindível não só para a sustentabilidade ambiental do território afetado, mas também para alcançar a qualidade ecológica das massas de água. Uma vez que contempla intervenções que garantem o escoamento nas linhas de água, a redução da erosão e o arrastamento dos solos, assim como, o efeito de cheias e inundações.

É ainda de salientar que, aquando das intervenções a realizar é tido em conta o desenvolvimento sustentável, através da aplicação de soluções técnicas o mais próximas da natureza (Engenharia Natural). Como, a título de exemplo, o revestimento vegetal do corredor ripícola com espécies autóctones.

Imagem: 1M de euros de investimento para Regularização Fluvial no Concelho