Município da Guarda

Imagem: Informação da versão beta

Município da Guarda

Tributo a Paula Rego na 3ª edição do SIAC

28/05/2018
leitura do texto

Entre 4 e 18 de junho a arte contemporânea sai à rua e é destaque na Guarda. O Município, através do seu Museu, volta a organizar pelo terceiro ano consecutivo o Simpósio Internacional de Arte Contemporânea Cidade da Guarda - SIAC. Nomes como Paula Rego, Susana Miranda ou Fernanda Fragateiro encabeçam a extensa lista de artistas plásticos desta terceira edição que se desenrolará pela cidade no Museu, Teatro Municipal da Guarda, Alameda de Santo André, Praça Luís de Camões, Solar dos Póvoas, Rua 31 de Janeiro, Arquivo Distrital e Campus Internacional de Arte Contemporânea. (programa)

Sob o tema 'As vanguardas da Memória', o Simpósio decorrerá por 15 dias, com 140 artistas, oriundos de 21 países. Paula Rego, uma das mais conceituadas artistas plásticas da atualidade, assina a exposição principal: «As infâncias perduráveis» reúne coleções provenientes da Casa das Histórias Paula Rego, Centro de Arte Manuel de Brito e Fundação de Serralves. A Guarda e em particular o SIAC prestam assim tributo a um dos maiores nomes da pintura portuguesa, figura proeminente das artes lusas. A inauguração da exposição será no dia 8 de junho às 18h00 com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes. No mesmo dia, o SIAC destaca as cinco obras dos artistas Nikias Skapinakis, José de Guimarães, Júlio Resende, Luis Pinto Coelho e João Hogan que serão cedidas para o depósito do Museu da Guarda no âmbito de um protocolo com o NOVO BANCO/Cultura.

Para ver também outras 10 exposições e ainda Instalações, arte ao vivo (escultura, pintura e gravura), colóquios, palestras, arte urbana, ateliês, poesia visual, recitais, apresentação de livros e ciclos documentais. A edição de 2018 traz também algumas novidades, como é o caso do 1º Congresso de Criação na Arte Contemporânea que decorrerá nos dias 8 e 9 de junho ou ainda a Land Art que leva atividades do simpósio à localidade de Vila Soeiro, no dia 16.

Recorde-se que o SIAC reúne anualmente, na cidade mais alta de Portugal, centena e meia de artistas provenientes dos quatro cantos do mundo produzindo arte ao vivo e desenvolvendo em contexto urbano atividades multidisciplinares na área das Artes Visuais e Plásticas. A iniciativa tem por base exposições, produção de arte ao vivo e formação artística.

À semelhança de edições anteriores o SIAC aposta na relação estreita e no acesso direto do público aos artistas e à criação das suas obras e por isso, durante o simpósio, escultores vão trabalhar ao vivo na Alameda de Santo André e pintores na Praça Luís de Camões num verdadeiro ambiente de fruição cultural. A iniciativa tem toda uma dimensão social/cultural importante que pretende estimular a proximidade entre artistas e o público participante, promovendo também um envolvimento especial, quer de artistas, quer da comunidade educativa em várias modalidades participativas que vão desde os workshops à própria criação dos jovens estudantes de artes.

Refira-se que o Simpósio foi distinguido em 2017 com o prémio 'Melhor Projeto Internacional' e a menção honrosa 'Incorporação de Bens Culturais e artísticos', galardões atribuídos pela Associação Portuguesa de Museologia ao Município da Guarda a propósito da primeira edição, em 2016, do SIAC.

O Simpósio é uma iniciativa organizada pelo Município da Guarda e o seu Museu e, na sua edição de 2018, tem o apoio da Universidade de Salamanca (Espanha), da Casa das histórias Paula Rego, da Fundação D. Luís, do Centro de Arte Manuel de Brito e da Fundação Serralves.

Programa completo da iniciativa aqui.

Imagem: Tributo a Paula Rego na 3ª edição do SIAC